quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Estudo dirigido sobre Iluminismo (8º ano)


ILUMINISMO

 

“O homem é bom por natureza a sociedade que o corrompe”.

(Rosseau)

No século XVIII, alguns intelectuais europeus passaram a questionar o Antigo Regime. O Absolutismo, o monopólio mercantilista e o abuso de poder por parte da nobreza, pareciam estar com seus dias contados quando as idéias de Diderot, D’Alembert, Montesquieu , Rosseau, Locke, Voltaire, entre outros, passaram a conquistar pelo menos parte da população, “iluminando” as idéias de uma elite letrada.

As origens

Ao longo do séc. XVII, as práticas e valores defendidos pelos renascentistas foram reafirmados e ampliados por pensadores como Francis Bacon (filósofo inglês; 1561-1626), René Descartes (matemático francês; 1596-1650), Isaac Newton (astrônomo inglês; 1642-1727) entre outros. A produção cultural de todos esses intelectuais era reflexo dos tempos modernos.
A partir do século XVIII, desenvolveu-se na Europa um movimento cultural que ganharia o nome de Iluminismo ou Ilustração. Segundo os principais pensadores que deram origem a esse movimento, a razão era a luz capaz de afastar nas trevas que dominavam o mundo europeu, provocadas pela ignorância e supertição características da Idade Média.
Na França, a partir de 1751, o matemático D’Alembert e o filósofo Didertot dirigiram a publicação da famosa Enciclopédia. Mais de trezentas pessoas colaboraram escrevendo artigos especializados. Por causa dela os iluministas também foram chamados de Enciclopedistas. A publicação da Enciclopédia, que reunia em uma só obra diversos assuntos desde temas ligados à filosofia e política até os passos para a fabricação de uma chocadeira (revelando claramente a influência burguesa do movimento) vai ser o marco inicial do movimento iluminista. Em várias ocasiões a Enciclopédia foi censurada, passando a ser divulgada clandestinamente.

Principais características

No pensamento – Para os iluministas, somente através da RAZÃO que era possível chegar ao conhecimento. Era a razão, e não a fé, a luz que iluminaria as trevas da ignorância, do obscurantismo e da surperstição que dominavam a sociedade daquela época.Crítica à Igreja Católica, embora não negassem a existência de Deus.

Na política – Queriam substituir o Absolutismo Monárquico por um governo com base na vontade popular, com a igualdade de direitos.

Nas relações sociais – Queriam a supressão da sociedade estamental ou seja, da sociedade dividida em classes sociais rígidas (estados) sem possibilidade de mobilidade (apoio da burguesia) e liberdade de culto e de expressão.Defendiam a igualdade jurídica, que tem como princípio básico a igualdade de todos perante a lei.

Na economia – Desejavam substituir o mercantilismo pelo livre comércio (liberalismo). Eram a favor da defesa da propriedade privada (inspiração burguesa).

Principais representantes

 Voltaire (1694-1770): Foi um dos maiores críticos do Antigo Regime e da Igreja. Defendeu a liberdade de pensamento e de expressão. Como forma de governo, era a favor de uma monarquia esclarecida, na qual o governante fizesse reformas influenciado pelas idéias iluministas.
Montesquieu (1698-1755): Propunha a divisão do poder em executivo, legislativo e judiciário, mantendo-se os três em equilíbrio permanente. Defendeu ainda a posição de que somente as pessoas de boa renda poderiam ter direitos políticos, ou seja, direito de votar e de candidatar-se a cargos públicos.
Rousseau (1712-1778): Este pensador francês, distinguiu-se dos demais iluministas por criticar a burguesia e a propriedade privada. Considerava os homens bons por natureza e capazes de viver em harmonia, não fosse alguns terem se apoderado da terra, dando origem à desigualdade e aos conflitos sociais. Propunha um governo no qual o povo participasse politicamente e a vontade da maioria determinasse as decisões políticas.
John Locke (1632-1704): Defendia que o governo deveria ter seu poder limitado. Para este pensador inglês, os homens formavam a sociedade e instituíam um governo para que este lhes garantisse alguns direitos naturais, como o direito à vida, à felicidade, à propriedade, etc. Por isso, caso o governo abusasse do poder, poderia ser substituído. Outra de suas afirmações era que todos os indivíduos nascem iguais, sem valores ou idéias preconcebidas.     
 
Despotismo Esclarecido

As idéias iluministas difundiram-se por toda a Europa, onde encontrou ouvidos atentos, principalmente por parte da burguesia, a mais interessada em modificar a situação. Sendo assim, os monarcas reagiram. Uns, como o da França, de maneira a reprimir tais idéias. Outros, como os de Portugal, Espanha, Áustria, Rússia e Prússia, adotaram o chamado DESPOTISMO ESCLARECIDO.
O Despotismo Esclarecido nada mais é do que a conciliação das práticas absolutistas com as idéias iluministas.Ou seja, o Antigo Regime continuava existindo, com os seus privilégios assegurados, o absolutismo e o mercantilismo. No entanto, eram realizadas algumas reformas inspiradas no Iluminismo. 

Exercícios de fixação

1) Defina Iluminismo.
2) Qual foi o livro considerado símbolo do Iluminismo? Por que ele foi censurado?
3) Explique as críticas dos iluministas à Igreja Católica.
4) De uma maneira geral, que tipo de governo os iluministas criticavam?
5) O que os iluministas argumentavam sobre os privilégios obtidos pelo "berço" (como ocorria com os nobres, que já nasciam com prestígio econômico, social e político)? 
6) Explique o significado dos conceitos abaixo, procurando identificar  o pensador que os defendia.
a) Divisão de poderes.
b) Despotismo esclarecido.

Acesse também a aula sobre Iluminismo do Educopédia (SME/ Prefeitura do RJ) disponível no link: 
http://www.educopedia.com.br/Cadastros/Atividade/Visualizar.aspx?pgn_id=69754&tipo=2



Nenhum comentário:

Postar um comentário